05 junho 2007

E se recusasse fazer o teste da “alcoolémia”?

Se for a conduzir e um agente da polícia o interceptar e lhe pedir que faça o teste da “alcoolémia”, pode negar-se a fazer esse teste, explicando, delicadamente, o motivo da sua recusa: esse teste simplesmente não existe! Passo a explicar:
Está a generalizar-se a pronúncia e grafia -émia de algumas palavras formadas pelo sufixo grego -emia, que significa “sangue”: *glicémia e *alcoolémia, por exemplo.
Esta grafia está incorrecta, uma vez que esse sufixo não contém qualquer acento gráfico desde a sua origem.
Não deixa de ser estranha esta tendência, visto haver várias palavras terminadas em -emia que são pronunciadas e escritas correctamente, tais como anemia (e não *anémia) e leucemia (e não *leucémia).

Por conseguinte, se não hesita em dizer e escrever anemia e leucemia, então seja coerente e diga que apenas se submete ao teste da alcoolemia!

4 comentários :

Jaime disse...

Estou certo de que esse teu argumento ganhava em tribunal. :-)

Jaime
www.blog.jaimegaspar.com

Joana (2º ano) disse...

Espero que não seja necessário!! Mas penso que se se alguém dissesse isso a um agente da autoridade, o pensamento deste seria "Está mesmo bêbado" :p beijinho

Luís Alves de Fraga disse...

Estou com a Joana!
Um dia, há muitos anos, tentei explicar a um polícia de trânsito a diferença entre "não poder" e "não dever" estacionar um veículo em um espaço reservado com um sinal de "estacionamento proibido". Estive quase para ir "dentro"!

S. Leite disse...

Hehe! Fez melhor do que eu, que tive a ousadia de dizer a um polícia que me havia acabado de multar junto às saídas do aeroporto: "bem, nesse caso, aproveito e fico aqui estacionada mais um bocadinho...!"